Como funciona um Seguro de Carro?

Publicidade

Todo proprietário deseja ter a tranquilidade de poder usar seu carro sem maiores preocupações, além das habituais como o custo de manutenção do veículo e gasolina.

Nesse sentido, um seguro é o ideal para que o dono tenha a segurança necessária em alguns casos em que ele precise de um suporte a mais e não consiga resolver por conta própria.

Publicidade

Por isso, é de muito importante que na hora da contratação você possa entender como funciona um seguro veicular e como este seguro pode te garantir a proteção que se encaixa no que você busca.

Por meio deste artigo você entenderá alguns detalhes importantes que deve ter conhecimento antes de contratar um seguro. Você verá como funciona esse seguro, como fazê-lo, como funcionam as coberturas e como o seguro cobre em casos de sinistro.

Como funciona um Seguro de Carro?

O seguro veicular é uma proteção destinada ao seu automóvel, que está determinado por documentação durante um prazo, garantindo que você e seu carro fiquem resguardados.

Publicidade

O documento que oficializa esse contrato do seguro é a apólice. Por meio dela, tudo será estabelecido previamente, assim você poderá concluir com a seguradora o que for melhor no seu caso. A maioria tem duração de um ano. 

Dentro do acordo do seguro, é possível personalizar um plano para cada perfil. Ou seja, desde que usa bem pouco o seu carro até os que usam diariamente poderão ser incluídos e determinar previamente suas condições.

As coberturas que o seguro oferece podem variar, e por isso, é essencial ter bem em mente que tipo de proteção você quer para o seu veículo.

Publicidade

O contrato do seguro é estabelecido entre a seguradora e o proprietário do veículo. Nesse documento, tudo que será informado deve estar detalhado: o valor que o segurado irá pagar, conhecido como prêmio do seguro, o que garante que ele terá cobertura de possíveis prejuízos ao carro.

Veja Mais:  Vale a pena contratar um Seguro Residencial?

Dentre os prejuízos que o seguro veicular pode cobrir estão roubo, colisões, desastres naturais, furto e danos pessoais ou a terceiros. Você poderá decidir o que deseja incluir no seu seguro dentre essas opções.

O que o Seguro de Carro cobre?

Diversas situações podem ser cobertas pelo seguro, isto dependerá da sua necessidade e de que tipo de prevenção você deseja ter. Ao decidir o que incluir na apólice, faça isso com a ajuda de um corretor que poderá te dar maiores esclarecimentos.

É importante lembrar que o seguro apenas cobrirá todos os acontecimentos que estejam previstos na sua apólice, durante seu período de vigência. Se não estiver incluso, ou o período estiver encerrado, o seguro não valerá mais.

Nas coberturas tradicionais que a maioria dos seguros oferecem estão incluídos casos de furto e roubo, colisões, incêndio e carro reserva. Mas, você pode optar por incluir mais coberturas de acordo com o que você precisa e com suas circunstâncias.

Como funciona o Seguro se houver sinistro?

O termo “sinistro” refere-se a uma ocorrência de todo evento que esteja detalhado como parte da cobertura oferecida pelo seguro que foi contratado, estando especificado na apólice. Então, se houver um caso de roubo e o seu seguro oferecer essa cobertura, você receberá indenização.

Publicidade

Por isso, no momento em que ocorrer algum tipo de sinistro, é essencial que você rapidamente entre em contato diretamente com a sua seguradora. 

Dessa forma, todo o processo será feito mais rapidamente, e dependendo da sua necessidade, de modo mais eficiente. Outra opção a qual você pode recorrer é entrar em contato com a sua corretora de seguros a fim de que ela realize a intermediação de todo o processo. 

Veja Mais:  Cartão de crédito Magazine Luiza

No seguro existem duas nomenclaturas as quais você deve se atentar. São elas perda total e perda parcial. No caso da perda parcial, se dá quando há uma colisão do carro segurado e os reparos necessários totalizam o valor de R$8.000,00 reais.

Esse valor também é acompanhado pelo valor da franquia, se esta for no valor de R$2.000,00 reais o segurado pagará apenas por ela.

Nos casos de perda total, a seguradora arca com o valor integral do veículo, conforme a tabela FIPE, seja por conta de roubo e desaparecimento do veículo ou em virtude de uma batida em que o valor dos reparos é igual ou superior a 75% do valor do carro.

Como fazer um Seguro Veicular?

A primeira coisa que você deve fazer é buscar uma corretora de seguros a fim de solicitar cotações que estejam de acordo com o que você procura e com suas necessidades.

Lembre-se que os profissionais a quem você deve recorrer precisam estar inscritos na SUSEP, o órgão responsável pela fiscalização, controle e autorização de seguros no Brasil. Essa é uma medida que pode te proteger.

Se uma seguradora não está devidamente inscrita e regularizada segundo as normas da SUSEP, não faça o seguro, você pode acabar caindo em uma cilada e perder muito dinheiro.

Depois de fazer a análise necessária da idoneidade da corretora que escolher, você deverá informar alguns dados básicos para que os cálculos do seguro do seu carro sejam feitos.

Para isso, conceda algumas informações pessoais como seu nome completo, idade, endereço, sexo, detalhes do seu carro e como ele é utilizado. Isso inclui a finalidade que você o usa, onde ele fica estacionado, entre outros detalhes.

Veja Mais:  Cartão de crédito Atacadão

Ao informar esses detalhes, o preço do seu seguro pode ser definido. Informe tudo que é necessário para que seja esclarecido na sua apólice.

Depois de informar seus dados, a corretora poderá cotar o seguro de acordo com a seguradora, e concluir o processo. Nesse processo está incluído o pagamento do seguro do seu carro e a emissão da apólice de seguro.

Vale muito a pena investir num seguro veicular, visto que todos estão propícios a sofrer imprevistos que podem trazer altos custos para o proprietário do veículo. 

Procure uma boa seguradora para garantir que não sofra nenhum golpe de um falso seguro. Estabeleça previamente todas as suas necessidades a serem atendidas e escolha tudo que deseja que o seguro cubra. 

Investir em segurança pode protegê-lo de gastos que influenciarão negativamente nas suas finanças, como também o desconforto de precisar arcar com o valor em casos de sinistro. 

 

Publicidade

Quem tem direito ao FGTS?

Tudo que você precisa saber sobre o INSS